X

Procedimentos

Motilidade Digestiva

Phmetria

O que é pHmetria esofágica prolongada?

A pHmetria esofágica prolongada (ou de 24 horas), é um exame que tem por finalidade detectar e caracterizar o fenômeno do refluxo gastroesofágico através da medida da acidez (pH) no esôfago.

Exemplo de medida da acidez no esôfago proximal (perto da garganta) no canal 1 e do esôfago distal (perto do estômago) no canal 2.

Quais as Indicações da pHmetria esofágica prolongada?

  • - Pacientes com sintomas típicos refluxo e que não apresentam resposta satisfatória ao tratamento com medicamentos
  • - Pacientes com quadro clínico que refluxo nos quais o exame endoscópico não revelou dano à mucosa esofágica (esofagite erosiva)
  • - Pacientes com manifestações atípicas (extra-esofágicas) como rouquidão, tosse crônica, pigarro, asma, laringite, ..
  • - Pré-operatório para cirurgia de refluxo nos casos em que o exame endoscópico não demonstrou esofagite

Qual a vantagem de se realizar a pHmetria esofágica prolongada na doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)?

A pHmetria esofágica prolongada constitui o melhor procedimento disponível até o momento para caracterizar o refluxo gastroesofágico (ácido) e permite a correlação dos sintomas referidos pelos pacientes com os episódios de refluxo (índice de sintomas). Por meio da pHmetria esofágica prolongada é possível quantificar a intensidade da exposição da mucosa esofágica ao ácido.

Existem exames alternativos, que podem nos dar as mesmas informações, que a pHmetria esofágica prolongada?

Não existe nenhum exame alternativo para aferição do refluxo gastroesofágico propriamente dito.

Quais as Orientações e preparo do paciente necessários para a execução do exame de pHmetria esofágica prolongada?

O exame de pHmetria esofágica prolongada é sempre precedido de uma manometria esofágica para localização correta dos esfíncteres inferior e superior de esôfago.

Após a manometria esofágica é introduzido o cateter de pHmetria, com o paciente acordado.

Após o término do exame o paciente poderá se alimentar, dirigir e trabalhar, dependendo do tipo de trabalho exercido. Caso necessário é fornecido atestado para o dia.

O paciente não pode ter sido submetido a sedação nas 6 horas que antecedem ao exame.

Jejum mínimo de 6 horas, jejum total, não tomar nem água.

O paciente deve tomar banho antes do exame, pois durante a monitorização o banho é proibido.

Algumas medicações que não são para o estômago, mas podem alterar o funcionamento normal do esôfago, devem ser interrompidas no mínimo 48 horas antes do exame. São elas: nitratos (Isordil, Sustrate); bloqueadores do canal de cálcio (Adalat, Cardizen, Oxcord, Diltiazen); anticolinérgicos (Buscopan, Hioscina, Atroveran); agentes procinéticos (Plasil, Digesan, Motilium, Cispride, Prepulsid) e sedativos(Valium, Diazepan, Lexotan, Olcadil, Frantal).

Nunca suspenda alguma medicação sem falar previamente com o médico que a receitou!

Medicações para o estômago e que devem ser suspensas:

  •  7 dias antes do exame: Omeprazol, Pantoprazol, Lasoprazol, Rabeprazol e Esomeprazol; (Losec, Gastrium, Pantozol, Ogastro, Pariet,Nexium,etc.)
  •  48 horas antes do exame: Cimetidine, Ranitidine, Famotidine; (Tagamed, Zylium, Label, Logart, Famox,etc.).
  •  12hs horas antes do exame: Antiácidos (Hidróxido de Alumínio, Mylanta plus, Pepsamar, Andursil, etc.).

Trazer o resultado dos exames realizados anteriormente. Todo paciente a ser submetido a estudo pHmétrico deve, no mínimo ter sido submetido previamente a endoscopia digestiva.

Trazer a solicitação médica do exame e seus documentos pessoais e de convênio se for o caso. Serão explicados com detalhes todos os passos envolvidos na execução do exame, e eventuais desconfortos e benefícios esperados com a realização do mesmo.

Quais as limitações da pHmetria esofágica prolongada?

Cerca de 30% pacientes com sintomas sugestivos de refluxo apresentam persistência dos sintomas quando estão sendo tratados com medicamentos que diminuem acidez gástrica. Estes sintomas são atribuidos a refluxo fracamente ácidos ou gasosos que não podem ser aferidos pela pHmetria esofágica convencional.

Em que altura do esôfago o cateter de pH deve ficar ? Existe uma altura específica?

Sim, existe uma altura específica para cada paciente.

O cateter deve ficar posicionado 5 cm acima da borda superior do esfíncter inferior do esôfago. Para que os resultados obtidos por meio da pHmetria apresentem fidelidade e reprodutibilidade, na realização do procedimento, o examinador deve seguir adequadamente a técnica do exame e entre esses aspectos, o posicionamento correto do eletrodo é fundamental. Na atualidade, a manometria esofágica é considerada o método ideal para posicionamento do cateter de pHmetria, por fornecer a localização exata do esfíncter inferior do esôfago, devendo der realizada previamente.

Caso o serviço não disponha de manometria esofágica, a localização do esfíncter inferior de esôfago poderá ser realizada por outra técnica?

Não. É preferível não realizar o exame de pHmetria, pois sem uma localização exata o refluxo poderá ser medido de forma errada e portanto sem valor.

Como é a execução do exame de pHmetria esofágica prolongada?

O exame inicia-se pela escolha do cateter, que será específico para atender as necessidades de cada paciente, após localização dos esfíncteres inferior e superior do esôfago por manometria esofágica prévia. O eletrodo de referência externa é fixo no tórax do paciente.

Aplica-se gel anestésico na narina que estiver mais desobstruída e na orofaringe e pede-se para que o paciente inspire o gel, com objetivo de anestesiar o trajeto a ser percorrido pela sonda.

O cateter é introduzido lentamente na narina que foi anestesiada e quando sentimos que está na faringe posterior pedimos que o paciente flexione o pescoço para frente, para facilitar a entrada do cateter no esôfago.

O cateter é então introduzido até o estômago, com objetivo de verificar a acidificação e ter certeza que o cateter não está dobrado. Caso não se registre pH ácido damos um pouco de suco de laranja ao paciente, com isso podemos saber se a não acidificação se deve a falta de conteúdo gástrico ou problemas no sistema de registro do pH.

O cateter é tracionado até 5 cm acima da borda superior do esfíncter inferior do esôfago, fixado externamente na face e conectado a um aparelho portátil, que irá monitorizar o pH do esôfago. O aparelho é ligado e começa a monitorização.

Fornecemos um diário ao paciente, para que possa registrar os horários das ingestões dos alimentos, dos períodos deitado e o horário e tipo de sintomas apresentados.

Após o exame o paciente poderá alimentar-se, dirigir, trabalhar, enfim voltar às suas atividades normalmente. Caso o paciente não se encontre apto para trabalhar, fornecemos um atestado para o dia.

O paciente deve retornar na manhã do dia seguinte para retirada do cateter!

Após retirada do cateter o exame é transferido a um computador. Através da análise dos dados do diário e do gráfico da monitorização podemos chegar a uma conclusão.

Qual o tempo mínimo de monitorização de pH para se ter um resultado confiável?

O tempo mínimo aceitável é de 18 horas. Menos disso o exame será inconclusivo, havendo necessidade de repetí-lo.

Clique aqui para ler o preparo para o exame

Enciclopédia do Aparelho Digestivo